Segundo um progonóstico de um observador e estudioso de fenômenos climáticos, o Nordeste do Brasil que é assolado por ausência de chuvas dentro da média histórica em grande parte de sua extenção, fenômeno que já dura pelo menos 4 anos, o aquecimento das águas do oceano Atlântico, nas áreas próximas  a linha do Equador ( paralelo 0 ), mas em latutudes sul, pode favorecer a ocorrências de precipitações pluviométricas com índices melhores do que os registrados nos anos de 2012 até 2015.

 

Foto: Meteosat no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais ( INPE ) as 22:00 ( Brasília ) onde se verifica a tuação de VCAN atuando em grande parte do Nordeste do Brasil ainda na chamada pré estação das chuvas, que oficialmente começam em fevereiro e vai até junho, em sua parte norte.

Ano passado, alguns pequenos manaciais, chegaram a 100% de sua capacidade, como este em Baturité - CE.

Eis o prognóstico de Eduardo Estudo da Climatempo, site e canal de tv de meteorologia.

"Chegou bem na hora o periodo chuvosoAproximação da ZCIT e aquecimento do Atlântico SUL 07/01/16
por Alexandre Estudo o aquecimento dos oceanos já faz algum tempo. E pelas observações que faço dos Mapas Oceânicos, cheguei à conclusão de que teremos muita chuva nos próximos meses aqui no Nordeste. O fenômeno conhecido como oscilação do Atlântico Sul mostra um aquecimento perceptível próximo ao Sul do Equador e um esfriamento no Atlântico Norte, próximo ao norte do Equador, chegando a conclusão de que existe uma grande probabilidade de que o fenômeno permaneça, aumentado as chances de que a ZCIT se aproxime muito da nossa região e consequentemente nos trazendo chuvas fortes. Acredito que o enfraquecimento do El Ninõ colabore para que essa realidade se concretize."

Esta informação foi passada à redação da Voz do Repórter,pelo colaborador Igor Sá, morador em São Luis-MA.

Chuvas isoladas tem ocorrido na região da Ibiapaba, nas divisas entre os estados do Piauí e do Ceará.

Por Ronald Pinheiro/ Voz do Repórter/

Fotos: Arquivo/